quarta-feira, 10 de abril de 2013

Nosferatus - Elton Sipião - O Anjo das Letras

Sigo teus passos
almejando matar
a minha sede suprema,
na penumbra da noite
caminho sob um silêncio
espectral, sou nesta hora
o mais temível predador.

Escuto claramente o pulsar
da tua veia jugular, então
salivo de desejo ao imaginar
teu fluxo sanguíneo correr
por ela.

Sorrio maliciosamente
olhando para a lua que
prateada brilha no alto
do céu, quase consigo
sentir o gosto macabro
do teu sangue em minha
boca de demônio nosferatu.

Tu viras a esquina
de forma ligeira, por um breve
momento chego a pensar que estás
desconfiada que alguém
segue-te, mas isso seria
impossível, humano algum
conseguiria perceber os
passos silenciosos de um
vampiro, e nem notar
a sombra de sua presença
em seu encalço.

Sobes a calçada
onde está construída
a sua casa entre tantas
outras,é agora que devo
dar o bote da serpente e
me saciar com o licor
delicioso de seu sangue.

Quando estou a um passo
de ti pronto a agarrá-la,
eis, que de súbito o inusitado
ocorre, uma cruz de prata aparece
diante de mim empunhada por ele,
o pior inimigo de todos os vampiros,
o doutor Van Helsing, após ordenar-me
que estacasse em meus passos, encosta
o objeto santo em meu peito que o queima
ferozmente fazendo-me cair ao solo.

Agora perdido em meus pensamentos
morro tendo uma estaca de madeira
sendo cravada em meu coração de morto
vivo, aos poucos sinto minha vida-vampiríca
se esvaindo, juntamente com a doce
ilusão que teu delicioso sangue seria meu.

Maldito Van Helsing, tinha que aparecer
justamente no momento derradeiro do meu
ataque, agora serei mais um numero dentre
os muitos vampiros em sua lista que ele já
destruiu.

Meu cadáver jaz sangrando profusamente
diante seu olhar de donzela estarrecida sendo
apreciado por um Van Helsing que sorri satisfeito
com um ar de missão cumprida.

- ELTON SIPIÃO O ANJO DAS LETRAS.

A Van Helsing um dos meus personagens preferidos na literatura e no cinema, este profundo estudioso da metafísica e célebre caçador de vampiros que matou o próprio Conde Drácula foi criado pela mente genial do escritor britânico Bram Stocker-(Dublin, - 8 de novembro de 1847- Londres, 20 de abril de 1912).