quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Simplesmente mulher - Ane Braga



Já fui uma semente esperando para brotar

Tão pequena e frágil diante da grandeza do desconhecido

Tropecei nas pedras do chão e da vida

Cresci sabendo que o caminho seria árduo

Mas também seria cheio de vitórias



Chorei quando estava feliz e sorri

Quando estava sofrendo

E em todo momento entre a dor e a ternura

A força estava em mim



Tive dúvidas, quis jogar tudo fora

Quase perdi a esperança

Quase... Pois a cada árduo momento

Com cada queda que me arranhou a alma,

Fiquei mais forte, mais experiente

Sofrida e vivida

Mas em nenhum momento

Perdi-me de mim



Cada cicatriz marcou minha história

Tenho tudo que sonhei

Muito mais do que pedi

E nesse meu longo caminho

Que ainda não percorri totalmente

Tenho muito para aprender

Muito a ensinar

Muito a sofrer

E muito para amar



Sou a mesma de ontem

Com toda as esperanças do hoje e incertezas do amanhã

Sou força e delicadeza espalhadas no caminho

Sou destino e fim

Acertos e tropeços

Sou um ciclo esperando para recomeçar

Sou simplesmente mulher.