quarta-feira, 13 de junho de 2012

Uma menina má - Julie Elizabeth Leto - Cap.8


CAPÍTULO OITO
- Seguir em frente? Para onde?
Lauren tentou se virar, mas ele a apertou mais forte em seus braços, e mordiscou-lhe o pescoço com sensualidade.
- Para algum lugar novo. Algum lugar excitante. Inesperado. Nova York, talvez.
Ela lutou para se soltar dele, recuando alguns passos, e, procurando a roupa mais próxima, pegou a camiseta descartada de Luc.
- Do que está falando? Nova Orleans é seu lar. É parte de quem você é.
Luc inclinou o quadril nu sobre a parede da janela.
- Então meu lar irá comigo para onde eu for, certo? Mas você não. Você só se tornará uma parte da minha vida se eu me tornar uma parte da sua. Gostaria de fazer isso, Ren.
Ela vestiu a camiseta pela cabeça, de repente experimentando uma leve vertigem quando o aroma singular de Luc penetrou-lhe os sentidos, aquecendo-a.
- Luc, nós não nos vimos por oito anos antes de hoje, entretanto você quer mudar sua vida inteira apenas para estar a meu lado? Baseado numa pequena chance, e é realmente muito pequena, de que possamos construir um relacionamento que dê certo?
Ele meneou a cabeça, vestindo a calça jeans.
- Certo, há tantos erros nesta declaração que nem sei por onde começar. Primeiro, não pense nem por um minuto que não me informo regularmente sobre você com sua tia. E estou disposto a acreditar que o inverso é verdadeiro, também.
Lauren mordeu o lábio inferior. Tia Endora realmente tinha feito questão de mantê-la informada sobre as atividades de Luc, assim como muitas de suas amigas do mundo da publicidade. Ela pode não ter ficado feliz com o que ouvia, mas sempre estivera interessada.
- Segundo - continuou ele, sorrindo quando o silêncio dela expôs a verdade -, não quero me mudar apenas por sua causa, embora, para ser franco, você seja minha inspiração. A Casa Sensual foi a primeira coisa que fiz sozinho. Meu pai me emprestou o dinheiro para que eu não perdesse o prédio, mas o devolvi a ele em seis meses. Minha família me ensinou tudo o que sei, mas não tinham nada a dizer sobre o que fiz aqui, e ainda faço. Você, mais do que todo mundo, pode entender como esse sentimento é maravilhoso.
Sim, ela sabia. Embora tia Endora tivesse arcado com seus estudos e sua moradia durante o primeiro ano da faculdade, Lauren realizara todo o resto sozinha. Seus pais gostavam mais de fazer tours como músicos pelo país do que de cuidar dela. Depois que Lauren deixou Nova Orleans, vira os pais apenas três vezes.
Escolhera Nova York pelo fato de que lá estava a única família que lhe restava: Endora e suas filhas. Entretanto, sobrevivera às férias solitárias. Às comemorações vazias de boas notas na escola, bolsas de estudo conquistadas e, enfim, suas promoções profissionais.
Talvez nunca tivesse conseguido voltar para casa, não fosse pelo conhecimento que adquirira por si mesma. Poderia nunca mais ter tornado a ver Luc.
E agora, ele a chamava de “sua inspiração”.
A força total daquela declaração a fez voltar para o sofá. Sentando-se, ficou entorpecida até que Luc pegou-lhe uma das mãos.
- E terceiro...
- Tem mais? - Temendo não suportar aquilo, Lauren baixou a cabeça, tentando reunir coragem para ouvir o que sabia que seriam palavras honestas de Luc Dupre.
Ele riu, removeu a fivela dos cabelos dela, e deslizou os dedos através das mechas loiras.
- A coisa da inspiração abalou-a bastante, não?
- Você nunca me admirou antes, Luc. - Lauren o encarou. - Você me queria. Gostava de mim. Às vezes, acho que até sentia pena de mim pelo fato de meus pais não possuírem nada e mal estarem presentes.
- Você aprendeu a estar presente para si mesma. É o que preciso fazer agora. Mas, sendo a criatura de hábitos que sou, prefiro ter alguém familiar a meu lado. Prefiro ter você.
- Mas eu não sou familiar! Sou uma pessoa inteiramente nova, agora, Luc.
Ele a puxou para seus braços.
- Não acha que sei disso, também? Esta será a parte divertida: conhecermo-nos de novo. Pensei em vender a boate, mudar para Nova York, pesquisar a indústria, talvez abrir um negócio novo por lá. Alguma coisa maior. Melhor. Até mesmo mais louca que a Casa Sensual. Sua revista irá me implorar por uma entrevista - brincou ele.
- Pelo menos, eu terei um canal de entrada.
Luc a puxou para seu colo.
- Definitivamente. Definitivamente um canal, e com algumas sérias súplicas envolvidas.
Lauren jogou a cabeça para trás e suspirou.
- Não acredito que isso esteja acontecendo! Vim para casa a fim de reunir material para um artigo de revista e acabo com um namorado.
- Mais do que isso. - Luc a mudou de posição para que ficassem olho com olho. A sinceridade e vulnerabilidade aberta no olhar dele abriram o coração de Lauren. - Um namorado que a ama. Eu sempre a amei, Ren. Mesmo quando nós terminamos, você ainda era uma parte minha. E isso me assustava mais do que qualquer coisa. Você precisava tanto de mim na época, assim como eu precisava de você. Mas não estava pronto para admitir isso. Agora estou. E quanto a você?
Ela fechou os olhos e se forçou a respirar fundo, mas de forma regular, diversas vezes, enquanto sua mente girava em um turbilhão de sentimentos: paixão, amor, medo e desconfiança. Se aceitasse Luc de volta ao seu coração, ele teria de modificar a vida dele inteira.
Contudo, Luc já se pusera completamente. Estava se arriscando a ser muito mais ferido do que ela jamais tinha sido. Mais do que Lauren jamais poderia tornar a ser.
- Eu me transformei numa aventureira e tanto, Luc. Mas, por mais que tivesse tentado todos esses anos, nunca deixei de amá-lo, também. Quero que você volte para Nova York comigo e compartilhe minha existência. Construiremos uma vida nova, mais uma vez.
Um beijo profundo, longo e intenso selou o acordo.
Eles fizeram amor de novo, depois conversaram, planejaram, se beijaram e brincaram, até que Luc vasculhou sua mesa de trabalho para encontrar o que Lauren tinha certeza de que era um outro pacotinho de preservativo. Após ouvi-lo praguejar por uns bons cinco minutos, Lauren riu e se vestiu.
- Aonde você vai, Ren?
Ela achou sua fivela de cabelo no chão e guardou-a no bolso. Não se importava se parecia uma mulher que acabara de ser amada. Olhou seu reflexo no espelho e decidiu que sua aparência estava boa o bastante.
- Não vim até Nova Orleans para ouvi-lo insultar sua mesa, Luc. Há muitas farmácias na cidade. E, uma vez que você ainda me deve um tour noturno, por que não vamos comprar preservativo e começar?
Luc nunca se vestiu tão rápido na vida. Exceto talvez naquela manhã, quando Endora lhe telefonara para contar que Lauren estava de volta à cidade. Antes de partir para Nova York, faria uma grande festa com a mulher que tanto adorava.
- Vejo que você ainda está interessada em todos os lugares eróticos para fazer amor em Nova Orleans - provocou ele, andando em direção ao elevador para chamá-lo, o coração transbordando de felicidade pelo fato de Lauren estar outra vez a seu lado.
Ela balançou os quadris de uma maneira tão atrevida que tirou o fôlego de Luc.
- Mais interessada do que antes, para ser franca. Quero experimentar algumas noites muito eróticas por aqui, durante os nossos dois últimos dias na cidade, Luc Dupre.
Chère, se eu trabalhar direitinho, você terá noites eróticas e inesquecíveis pelo resto de sua vida.
Fim

Fonte: Harlequin Books