sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Espetáculo da vida - Marisa de Medeiros

(...) triste e melancólica,
saudade extrema de
mãos dadas com as
lágrimas escalando a vida;
às vezes, conturbada,
emaranhada no turbilhão
de sensações nem
sempre de coragem;
numa dor covarde,
escondida, não é miragem;
é o medo que se faz
teimosamente presente,
silhueta indecente
procurando um lugar,
para atuar livre...
eis que de repente,
aparece um brilho nas
artimanhas do amor e
faz a alegria, superar
as tristezas e incertezas;
faz pintar uma aquarela
numa luz intensa onde
a fé e esperança
acraditam na
metemorfose da vida,
e, a beleza das borboletas
ternas e multicoloridas...
desfilam com amor porque
é amor o espetáculo da vida.