segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Diamantes e desejo - Sarah Morgan - Capítulo VIII

CAPÍTULO OITO
Alexandros socou a porta com uma tensão indescritível, uma falta de calma fora do usual. E se ela não fosse mais morar ali? E se...
Lauren abriu a porta com força e seus olhos se arregalaram.
- O-o que você está fazendo aqui? Estou esperando meu táxi.
Alexandros percebeu as sombras escuras por baixo de seus olhos. Ela estava tão chateada quanto ele.
- Você me deu os diamantes de volta. - Nenhuma mulher nunca havia feito isso antes.
- Eu não gostava do que eles representavam. Eu estou vendo meu táxi...
- O carro pode esperar.
Alexandros segurou seus braços. O aroma de seu cabelo se espalhou pelo ar e ele cerrou seu maxilar, resistindo a uma poderosa tentação de trazê-la para perto dele e apenas beijá-la até conseguir acabar com o problema.
- É verdade que eu a segurei no baile até achar que você tinha perdido o avião - ele confessou. - Eu não vou me desculpar por isso porque eu estava protegendo a minha irmã, mas todo o resto que aconteceu depois disso foi por nós dois. Isso não teve nada a ver com o resto.
- Você dormiu comigo achando que eu era uma mulher interesseira e gananciosa. O que isso diz sobre você, Andros?
Ele sentiu sua coragem se esvair ao ouvir a dor em sua voz.

- Isso quer dizer que eu não sou muito bom em confiar nas pessoas - ele disse roucamente. - Não é natural para mim. Pelo que eu percebi, também não é natural para você, então você precisa entender. Se você confiasse facilmente, não teria se afastado tão prontamente.
Ela continuou parada.
- Como você me encontrou?
- Através da sua chefe.
- Ex-chefe.
- Ela te despediu? - Alexandros sentiu uma raiva quente tomar conta de seu corpo. - Eu irei te readmitir imediatamente.
- Eu não fui despedida - ela disse rapidamente. - Eu pedi demissão. Você me disse para parar de ter medo e estava certo. Se eu tivesse ficado aqui um instante a mais teria perdido toda a minha confiança.
- Eu vou cuidar de você.
Alexandros olhou para ela e a imaginou morando em seu apartamento apertado, odiando a possibilidade de ela morar sozinha. Batalhando.
- Você é ótima com as pessoas. Eu te darei um emprego.
- Eu tenho um emprego. - Havia orgulho em sua voz. - Lembra daquela mulher com um namorado loiro? Acabou que ele não era tão legal com ela. Depois que ela saiu da minha tenda, ela largou ele e me ofereceu um emprego. Ela é a maior concorrente da Gillian.
Alexandros reparou na maleta atrás dela.
- Você está trabalhando?
- Acredite ou não, ela vai dar outra festa em Monte Carlo. - Seu olhar mostrou a ele que este era o último lugar que ela queria estar. - Por que você está aqui, Alexandros?
Ele estava se perguntando a mesma coisa.
- Porque eu quero que você entenda o que eu fiz.
- Você não tem que...
- Depois que a nossa mãe morreu, nosso pai foi persuadido a investir todas as suas economias em uma fraude por uma mulher esperta e manipuladora. Ele perdeu tudo. Ele se afundou. - Alexandros tomou fôlego. - Eleni tinha seis meses de idade quando ele morreu.
Houve um longo silêncio e então seus dedos encontraram os dele.
- Sinto muito.
- Eu tinha dezesseis anos. Eu estava certo de que nós não nos separaríamos, mas foi difícil. - Ele nunca havia falado sobre isso. Algo que ele nunca havia compartilhado. - Você não tem ideia de como foi difícil. E então eu comecei a ganhar muito dinheiro e tudo mudou. Eu vi o pior lado das pessoas.
- Sua irmã tem sorte de ter você como protetor. - Lauren olhou para ele. - A verdadeira cartomante estava se aproveitando dela?
- Não faço ideia. - Alexandros descobriu que ele nem ao menos se importava. - Isso está nas mãos da Eleni. Já era tempo de eu parar de protegê-la do mundo real. Eu lhe devo um pedido de desculpas.
- Você não tem que se desculpar por proteger sua irmã.
- Você não tem família. - Suas tentativas de encontrá-la tinham lhe revelado que ela havia sido criada em um orfanato por ter sido abandonada ainda criança.
- Não.
Aquela única palavra lhe disse tudo sobre sua vida, e quando ela tentou tirar sua mão, ele apertou mais forte.
- Eu te amo, Lauren. ­- As palavras que ele nunca havia falado lhe pareciam surpreendentemente fáceis de dizer.  - Case comigo.
Ela ficou muda por um momento. Então ela deu um suspiro profundo e sacudiu a cabeça.
- Não seja ridículo.
- Eu te amo...
Seu peito se encheu e murchou enquanto ela respirava.
- Isso é impossível.
-  ... e eu sei que você me ama.
Ela deu um sorriso deturpado.
- Talvez eu não ame você. Talvez eu só esteja interessada no seu dinheiro. - Sua voz estava embargada pelas lágrimas. - Se eu tivesse me casado com você, você nunca saberia, não é? Você nunca teria certeza. Sua vida é uma fantasia, Andros, mas a minha é real e eu já estou atrasada.
Sem olhar para ele, ela afastou as mãos dele e entrou no táxi que a esperava.
***
Lauren circulava entre os convidados, desejando que seu primeiro trabalho com sua nova empresa não tivesse sido naquele lugar. Foi um cruel golpe do destino. Ela se encolhia cada vez que via um homem alto, de cabelos pretos em um terno e, a cada explosão de fogos de artifício, era como uma explosão em seu coração.
- Você é brilhante, Lauren. - Sua nova chefe, Daisy, a encontrou no meio da noite. - Você pode fazer uma coisa para mim? Dá uma olhada na tenda da cartomante e veja se ela está indo bem?
Lauren ficou pálida.
- Não, eu... - Mas Daisy já estava se retirando para salvar uma garçonete que havia derramado uma bandeja de copos.
Resignada pelo destino, Lauren levantou a aba da tenda e entrou.
- Olá. Está indo tudo bem por aqui?
A menina olhou para ela por cima do véu.
- Você irá conhecer um homem alto, moreno, atraente e rico...
- Pare. - Lauren levantou a mão. - Só estou aqui para ver se está tudo bem. Eu não quero saber meu futuro.
-  ... e ele lhe dará um anel de diamantes.
Lauren sentiu uma pontada de irritação.
- E como você pode saber disso?
- Porque ele está atrás de você... - a profunda voz masculina deslizou sobre seus nervos -  ... Esperando para colocá-lo em seu dedo.
Lauren se virou lentamente e a cartomante sorridente saiu discretamente da tenda.
- Alexandros...
Sombrio e incrivelmente atraente, ele pegou sua mão.
- Isso é seu. - Ele colocou um anel em seu dedo e Lauren olhou para o diamante brilhante em silêncio atônito.
- E isso… - Ele prendeu o colar de diamantes em volta de seu pescoço. - Se vender essas joias será uma mulher rica. Agora que dinheiro não é mais um problema, não há motivos para não se casar comigo.
Quase não se atrevendo a respirar, Lauren olhou para ele.
- Mas...
- Eu te amo e sei que você me ama.
Seu coração baqueou.
- Isso não pode ser real. Não me parece real.
Ele abaixou sua cabeça e a beijou até ela se sentir zonza.
- O que lhe parece agora?
- Como um conto de fadas - ela sussurrou. - E eu não acredito em contos de fadas.
- Isso não é um conto de fadas, meu amor. - Alexandros segurou seu rosto com as duas mãos. - Isso é a vida real.
- Não a minha vida. - Lauren pensou em quem ela era e quem ele era. - Eu não posso me casar com você. Eu sou normal. E disléxica. Eu não consigo nem escrever seu nome.
- Eu não me importo.
Mesmo assim, ela não queria acreditar.
- Eu não posso te dar o que você quer.
- Você não me perguntou o que eu quero. - Ele encostou sua testa na dela. - Eu quero te mimar, te proteger, te amar como você nunca foi amada. É isso que eu quero. Você disse que não gostava do significado dos diamantes, mas eles significam que eu te amo.
Olhando em seus olhos, a alegria floresceu dentro dela. Amor, ela pensou. O melhor conto de fadas de todos.
- Talvez nós devêssemos checar o seu futuro com a cartomante.
- Eu posso lhe dizer o que o seu futuro lhe promete. Diamantes e desejos, meu amor - ele falou suavemente. - Diamantes e desejos. Por toda a nossa vida.

Leia também:
Capítulo I
Capítulo II
Capítulo III
Capítulo IV
Capítulo V
Capítulo VI
Capítulo VII

Cortesia Harlequin Books