segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Diamantes e desejo - Sarah Morgan - Capítulo VI

CAPÍTULO SEIS
Lauren olhou em seus olhos, seu coração batia forte. A hora era essa. Com este homem, Ela deveria estar pensando por que ele? Ao invés disso, ela pressionou seus lábios nos músculos macios de seus ombros bronzeados e pensou sim, ele.
Ela o desejava como nunca havia desejado nenhum homem. Cada beijo lento e sensual, cada toque ágil, a faziam arder ainda mais.
Ondas de calor passavam por seu corpo e ela balançava seus quadris contra os dele, sentindo sua poderosa ereção se esfregar em sua coxa, pensando rapidamente se devia ou não mencionar que ela nunca havia vivido esse grau de intimidade com ninguém antes.
Provavelmente não, Lauren pensou zonza, enquanto ele retirava o cabelo de seu rosto e a beijava com mais habilidade e conhecimento que um homem poderia ter acumulado em uma vida inteira.
Seus olhos se fecharam e ela gemeu em sua boca. Se ela soubesse que era tão bom, teria feito antes, mas nunca havia se permitido chegar tão perto de alguém antes. Ela sempre se protegeu. Se sentindo desnorteada, Lauren tentou descobrir o que estava sendo diferente desta vez, mas seus pensamentos estavam girando e bem na hora em que ela tentou abrir a boca para dizer para ele não parar, ele entrou nela, pressionando de forma lenta e macia enquanto penetrava profundamente. Ele estava duro e quente e ela podia sentir sua pressão deliciosa por seu corpo inteiro.
Demais, ela pensou loucamente e então ele abaixou sua cabeça e lhe beijou novamente. A sedução provocante de sua boca derreteu sua tensão repentina e elevou seus níveis de excitação. Tomada pela sensação, necessitando dele, Lauren envolveu sua pernas em volta dele, estimulando-o.
Mas ao invés de responder ao seu encorajamento febril, ele levantou a cabeça e olhou para ela, com perguntas ebulindo nas profundezas obscuras de seus olhos.
E ela não queria responder a essas perguntas. Não ali. Não naquela hora.
- Andros - ela sussurrou, consciente de sua dureza aveludada dentro dela, e a intimidade daquele olhar. - Eu quero isso, eu quero você.
Ela se abriu para ele e ele gemeu lentamente e depois arrebitou sua bunda e pressionou profundamente, seus movimentos eram infinitamente gentis enquanto seus corpos se entrelaçavam, mostrando para ela um nível de intimidade inteiramente novo. Ele era todo sedoso e com um calor viril, o poder de sua invasão lhe tirava o fôlego. O prazer a consumiu, lhe tirando o controle, criando sensações que ela nunca havia imaginado existir.
Alexandros trançou seus dedos nos dela e a beijou, o carinho habilidoso de sua língua intensificou a excitação enquanto ele encontrava um ritmo perfeito, cada impulso poderoso a acometia de excitação. O quarto cintilava com o calor, a cama banhada em um brilho de luz que vinha da piscina iluminada do terraço além das portas abertas. 
- Você é linda.
Sua voz estava rouca, seus olhos tinham uma cor preta ameaçadora, e Lauren curvada em cima dele, deixando-o profundamente quieto, sem sentir nada além do ardente e pulsante prazer enquanto ele a penetrava. Os músculos de seus ombros se ondularam por baixo de seus dedos e o calor tomou conta de seu corpo como uma droga. Era a experiência mais sensual, erótica e devastadora de sua vida, cada mergulho a levava para mais profundamente para o paraíso, até que com um impulso final os levou feito um rojão para o céu.
Ondas após ondas do mais intenso prazer explodiram e Lauren encravou seus dedos nos músculos macios de seus ombros, seu corpo contraindo contra sua poderosa força enquanto ambos estavam lançados em um vórtice de êxtase sexual que ela sabia que mudaria sua vida para sempre.
Enquanto eles surfavam nas ondas de extremo prazer, ele tomou sua boca, tomou seu corpo – ele tomou tudo que ela tinha a oferecer.
Incluindo seu coração.
***
Foi o telefone que o acordou.
Se arrastando de um sono induzido pelo sexo, Alexandros esfregou seus dedos em seu rosto e checou o número em seu telefone.
Era sua irmã.
Praguejando brandamente em grego, ele se afundou novamente nos travesseiros. Não agora. Ele não estava preparado para ter o que só poderia ser descrito como uma conversa delicada. Sua irmã estava sem dúvidas esperando no aeroporto de Nova York por sua “nova melhor amiga” que havia, infelizmente, tido vontade de aceitar uma proposta mais vantajosa vinda dele.
Relutante em expô-la como uma oportunista gananciosa, olhou para a menina adormecida em sua cama, percebendo que ele havia complicado mil vezes mais a situação.
- Eleni...
 Alexandros sacudiu a cabeça, tentando se concentrar com a névoa do sono.
- Eu me desculpo - ele disse rudemente, mantendo a voz baixa para não acordar a mulher ao seu lado. - Você está certa, não foi a coisa certa a se fazer.
- Não, não foi. Estou feliz que o fez!
Sem encontrar sentido naquele comentário, Alexandros franziu a testa.
- Você está feliz? Não está chateada?
- Por que eu estaria chateada? Eu estava certa. Você estava errado. - Sua irmã soava impossivelmente convencida. _ É a primeira vez na minha vida que eu lhe escuto dizer que estava errado então eu vou aproveitar ao máximo.
- Eleni…
- Deve ter estragado totalmente a sua noite quando você percebeu que a minha amiga cartomante nem estava na sua festa estúpida. Ela achou que não ia dar tempo e então escapou do trabalho e, enquanto você estava aterrissando seu helicóptero na festa em Monte Carlo, ela já estava no aeroporto!
Alexandros congelou.
- Ela não pode ter ido ao aeroporto. - À meia-noite, Madame Rostropov estava com ele.  
- Bem, ela foi. Eu fiquei tão feliz quando ela chegou a Nova York na hora. Andros? Você está aí? O que há de errado com você?
Alexandros lambeu seus lábios secos.
- Ela chegou na hora? Ela não perdeu o voo?
- Não. Ela está aqui agora. E eu sei que você vai me dizer que ela só está interessada no dinheiro, mas isso não é verdade. Você quer falar com ela?
Alexandros fechou os olhos.
- Não. Você está certa. Já era hora de você aprender a fazer seus próprios julgamentos das pessoas, Eleni.
Ele já tinha problemas suficientes.
Se a cartomante gananciosa estava em Nova York com sua irmã, então com quem ele havia passado a noite?
Quem estava deitada em sua cama?

Leia também:


Capítulo V
Capítulo VII


Cortesia Harlequin Books