quarta-feira, 6 de abril de 2011

E assim te amo - Marisa de Medeiros

Chuva fina, calor,
madrugada,
lágrimas salgadas,
deslizam entediadas;
tua ausência grita,
fita-me e com laço de fita,
veste a solidão;
desmorona a emoção e
choro, num ato e fato
de saudade e perdão;
lembranças variadas e
variantes nas demandas
que comandam desejo
e paixão, o nosso amor
fanático e fantástico,
beleza e pureza, na
resposta do coração
que ainda te ama
com sofreguidão.

 Marisa de Medeiro