segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Vazio na Alma - Ataíde Lemos

Olhos meus olhos e os vejo tristes, caídos
Sinto que desabei o mundo sobre mim
Fugi, brinquei, joguei, fiz de tudo enfim
E agora chego ao fim da estrada sem sentido.

Para não querer estar de frente com a dor
Usei de muitos subterfúgios, em vidas de enganos
Não olhei para o futuro, não quis ter planos
Não dei ouvidos ao sentimento chamado amor.

Quis viver de forma equivoca o presente
Não medi meus atos. Fui inconseqüente
Minhas carências, nas drogas sempre afugentei.

Hoje meu mundo um pesadelo se tornou
De tudo que fiz e conquistei apenas restou
Um vazio na alma. Uma ferida que não cura.