segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Senti - Sulla Fagundes

o que diziam aqueles olhos
quando no espelho tatuado na retina
la estava bendito brilho
.. encanto alojado...
constava como bula do meu remédio
contra tanta solidão amarga....
era solidão crônica como profilaxia
era tão clara minha cura
milagre do destino minha alma vestida
de lama
teias antigas presa no medo apostilado
teria os olhos mentido?! mas havia o espelho
tinha lido até no horóscopo diário ...
era minha paz que havia esquecido de sonhar
me agarrando como carrapicho ...
te amando mais a cada dia ...
mas... estava na carne que treme agora ...
a ciência nem contraria, falam as línguas
numa demência
meu mapa consta no teu corpo como motivo
eu vi nos olhos refletido na ampulheta do tempo
não fujo mais desse anuncio publicado ...
nem minto nem em juízo és meu amor eterno
mesmo que o tempo carrasco machuque ...
amo você esta no seguro meu coração ...
receba em forma de poesia tanto amor dentre
meus versos ...

Senti - Sulla Fagundes