sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Mãe e Filha - Zulmar Pessoa

Acordei muito cedo
Minha mãe foi ajudar
Para o sarilho corri
Para o barril encher
Para o tanque ela foi
Para sua roupa lavar
Debaixo da seringueira
Eu brincava ...
E no balanço , balançava
As cigarras cantavam
Até seu peito estourar
Os raios de sol brilhavam
Meio que penetravam
Na imensa seringueira
Suas raízes cresciam
Como se não quisessem parar
Com simplicidade eu descrevo
No meu modo de exprimir
Seringueira , seringueira
Do meu coração
Quantos pássaros
Por ti cantaram
Quanto ninhos
Foram feitos
E tu como uma mãe
Seguraste!
Momentos felizes
Passamos
Muitos risos ...
Estendo os meus braços
E abraço-te , até onde possa te alcançar.
Mas trago comigo
Raízes de amor e ternura
Por ti amar.

Mãe e Filha - Zulmar Pessoa in Encontro Pontual ,página 364/365 - Editora Scortecci , 2010.