quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Fome e Sede - Ivan de Oliveira Melo

Tenho fome de amar
E sinto sede de amor,
Meu eu não sabe o que sou
E meu coração fica a navegar.

Minha alma precisa desse alimento,
Meu íntimo necessita de calor,
Em meu âmago não sei onde estou,
Viver essa carência é um assaz tormento!

Viajo em mim em busca de um sentimento
Que possa dissipar-me esse contratempo
E ser o pão e o vinho de minha alegria...

O trânsito engarrafado em meu interior
É o retrato que não sacia minha sede de amor
E a fome de amar é um respaldo isento de fantasia!
 
Fome e Sede - Ivan Oliveira Melo