terça-feira, 5 de outubro de 2010

Deus - Firmo de Santana

Nas cercéns do prado , no bosque anoso ,
no trilhar dos trêfegos passarinhos ,
nas avalanchas do rio caudaloso ,
na brancura das areias do caminho ;

no mar encapelado e tenebroso ,
na exuberância rígida dos pinhos ,
na placidez de um matagal umbroso ,
onde se abrigam tão bem feitos ninhos ;

no dilúculo matinal , no canto ,
na araponga , nas tardes de verão ,
onde a saudade se mistura ao pranto ...

Na Terra-mãe e nas belezas dos céus ,
nas diástoles de meu coração  
vejo a onisciência do poder de Deus .

Deus - Firmo de Santana