sábado, 23 de outubro de 2010

Boa Tarde - Efigenia Coutinho

Duma tarde ciumenta,
Remexo os pensamentos.
Da vida, alguma tormenta,
Esqueço os ais e lamentos.
Ao céu quero a liberdade,
Elevo minha alma que almeja:
Ao corpo, toda sensualidade
Do calor da boca que me beija.

Na guarida do teu regaço,
Quero ser tua purpurina.
Vem com teu quente abraço,
Em teu leito serei tua sina.

O corpo enamorado de beijos
Num Amor sem preconceitos.
Êxtase, paixão e desejos...
Clímax e luxuria liquefeitos!...

Neste abraço de afetividade
Ínsita-se toda nossa emoção.
Insígnias de amorosidade,
Entrega ao rito com sofreguidão.

Boa Tarde - Efigenia Coutinho