segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Boa Tarde - Antonio Barroso (Tiago)

Boa tarde, minha amada,
mas tão tarde que chegaste,
que minha alma, angustiada,
pergunta por onde andaste.

Vieste p'ra casa, eu sei,
mas foi tão devagarinho
que, por momentos, pensei
não te lembrares do caminho.

Agora, amor, estás comigo,
e desde que ouvi teus passos,
achaste porto de abrigo
aninhada nos meus braços.

Passo a mão p'lo teu cabelo,
depois beijo o teu sorriso,
e, por fim, com tal desvelo,
julgo estar no paraíso.

Ao chegar o anoitecer,
procuraste o nosso leito,
suspiraste de prazer
com minha mão no teu peito.

Quero que, nesta euforia,
pare o tempo, pare a hora,
para não dizer "Bom dia"
porque tu te vais embora.

Mas quando isso suceder,
que esta imagem se guarde
p'ra que eu te possa dizer:
- minha amada, "Boa Tarde".

Boa Tarde - Antonio Barroso (Tiago)